Prefeitura implanta Classificação de Risco para otimizar atendimento no Pronto Socorro

Pacientes que chegam ao Pronto Socorro já recebem cores referentes à sua necessidade

 

A Prefeitura de Aguaí, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, implantou no último mês, o sistema de Classificação de Risco no Pronto Socorro Municipal. A ferramenta facilita a rotina dos pacientes, enfermeiros e médicos, além de reduzir o tempo de espera no atendimento de pacientes em estado mais grave. Pelo sistema é possível identificar emergência, representada pela cor vermelha, urgência por amarelo, gravidade média por verde e quando o paciente não está em estado grave, recebe a cor azul.

O sistema de classificação dos pacientes é baseado no modelo de Manchester, adotado internacionalmente. Segundo esse protocolo, os pacientes classificados nas cores verde azul, podem esperar um tempo maior para o atendimento.

Como funciona

Todos os pacientes que chegam ao Pronto Socorro abrem uma ficha na recepção e são encaminhados para a classificação de risco. Os enfermeiros seguem o protocolo determinado pelo Ministério da Saúde e a equipe busca reduzir cada vez o mais o tempo de espera entre os atendimentos. Na classificação, a equipe de enfermagem ouve as queixas e afere os sinais vitais, que automaticamente alimentarão o sistema para a classificação do atendimento.

De acordo com a secretária municipal de Saúde, Silvia Valota, a Classificação de Risco traz mais segurança para os pacientes, pois os casos urgentes têm atendimento mais rápido. “Todos os enfermeiros de nossa equipe passaram por treinamento para fazer a Classificação de Risco, e seguem as normas técnicas definidas no protocolo de Manchester”, ressaltou.

Além de priorizar as emergências, a Classificação de Risco é um instrumento para organizar o fluxo de pacientes que procuram o Pronto Socorro Municipal, gerando um atendimento resolutivo e humanizado.

Ainda de acordo com a secretária, em média 350 pacientes passam pelo Pronto Socorro Municipal por dia. Os dias de maior fluxo e, portanto, de maior tempo de espera, são as segundas, terças e sábado.

Dos cerca de 350 pacientes diários, 60% registram alguma queixa, mas não são casos urgentes, e 10% não caracterizam caso de pronto-atendimento. “Esse último, são pessoas que querem uma receita médica de determinada especialidade, por exemplo.  Mas isso é função dos médicos das Unidades Básicas de Saúde, pois os médicos plantonistas não sabem dessa real necessidade”, explicou Silvia.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support